Trabalhadores em Transportes Rodoviários se organizam contra a Reforma da Previdência

IMG-20190312-WA0016Diretores Executivos da FTTRESP – Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de São Paulo – reuniram – se na manhã de terça-feira (12/3) com os representantes das Centrais Sindicais (Nova Central, Força Sindical, CUT, CTB e CGTB) para debater de que forma os trabalhadores (as) em transportes participarão do “Dia Nacional de Luta e Mobilizações em Defesa da Previdência”.

Em avaliação unanime, os sindicalistas concluíram que tanto a Proposta de Emenda a Constituição (PEC 6/2019) que versa sobre o desmonte da Previdência Social e a Medida Provisória (MP 873/2019) que dificulta quaisquer cobranças de contribuição sindical, são perversas e visam prejudicar a população mais pobre e estrangular os sindicatos laborais, que são os principais instrumentos de lutas contras as injustiças e retrocessos sociais e trabalhistas.

O presidente da FTTRESP, Valdir de Souza Pestana acolheu todas as sugestões apresentadas, sugeriu que a mobilização na base sirva para esclarecer que se o Congresso Nacional aprovar os projetos do Governo Bolsonaro (PSL) a classe trabalhadora ficará em uma situação fragilizada perante a ofensiva dos patrões que diuturnamente investem pesado para tirar todo o que já foi conquistado através de muita luta.

“Desde o ano passado que a estrutura sindical como um todo passa por dificuldades financeiras. O objetivo dos nossos inimigos de classe é bem este mesmo, no atacar de todos os lados e jogar duro para nos dividir e nos enfraquecer. Principalmente, em um momento como este, em que está em jogo justamente nossa sobrevivência e nossa força de resistência que primordial para barrar esta onda de ataques”, afirmou.

Pestana sugeriu que devemos procurar o deputado Federal Valdevan Noventa (PSC/SE), legítimo representante dos trabalhadores em transportes por ser o presidente licenciado do Sindmotoristas – Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Urbano de São Paulo – para que ele convoque uma grande plenária com os representantes de Sindicatos do Setor de Transportes Rodoviários de todo Brasil.

De acordo com o presidente Estadual da Nova Central – SP Luiz Gonçalves (Luizinho), o presidente Bolsonaro que até o momento não conseguiu formar maioria no Congresso Nacional para aprovar sua proposta de Reforma da Previdência. “Sua proposta é tão nefasta que mesmo antes de começar a ser discutida oficialmente pelos parlamentares, já é rejeitada pela população que não aceita perder o direito de se aposentar e nem o aumento do tempo de contribuição ao INSS”.

Disse que as manifestações do dia 22 de março serão um “esquenta” e início da preparação da “Greve Geral” que servirá para denunciar os deputados que acenam trocar seus votos por “nomeações” de cargos para o segundo escalão do governo nos Estados. “A prática do: Toma Lá Dá Cá, tão condenada por Bolsonaro e seus asseclas durantes as eleições de 2018, não vem mais ao caso. Agora vale tudo para prejudicar o povo em prol do Deus Mercado”, denunciou Luizinho.