Entrevista do Presidente Luiz Gonçalves sobre a Greve Geral

Fonte: Repórter Sindical

As greves gerais – desde 1983 até a marcada para o dia 28 de abril – serão tema do programa Repórter Sindical na Web desta quinta (6). Durante quatro programas, o Repórter receberá sindicalistas que participaram de greves anteriores ou estão no preparo da greve geral no final do mês.

A greve visa combater as reformas neoliberais de Michel Temer – previdenciária, trabalhista e terceirização, que agridem direitos, pioram as condições de trabalho e desagregam o mercado de trabalho.

Presidente Luiz Gonçalves NCST/SP – O convidado do primeiro da série é Luiz Gonçalves (Luizinho), presidente da Nova Central Sindical no Estado de SP e dirigente do setor rodoviário. De profissão motorista, sua empresa de origem é a CMTC (Companhia Municipal de Transportes Coletivos), que funcionou até 1995 e foi extinta por Paulo Maluf.

Ele vai contar como participou dos breques gerais de 1987 e 1989. “Eu era motorista da CMTC e já militava no sindicalismo. A CMTC parou, puxando paralisações em outras garagens”, recorda. Luizinho lembra que a então prefeita paulistana Luiza Erundina (no PT) foi condenada 30 anos depois a pagar multa de R$ 350 mil. “A Prefeitura publicou anúncio de utilidade pública, informando que os ônibus não circulariam. Foi o suficiente pra acusarem Erundina de dar suporte ao movimento, o que não era verdade”, lembra Luizinho.

Preparativos – O Sindicato dos Rodoviários de SP já fez assembleia de aprovação da greve geral para o dia 28. Na segunda, dia 10, haverá plenária da Federação estadual da categoria, na Capital, com diversos modais do transporte.

“Além de contar histórias vividas, vamos tratar de como se faz greve geral: formas de mobilização, recursos, comunicação, retaguarda jurídica e outras medidas que decidem a qualidade do movimento”, diz João Franzin, apresentador do programa.

Entrevista Completa: