Centrais firmam Pacto de Ação Sindical

As centrais sindicais, em reunião em São Paulo no dia 15 de janeiro, alinharam uma série de medidas de combate à crise financeira, que vinha afetando consideravelmente os números da economia e a taxa de empregabilidade no país.

A Nova Central São Paulo, segundo o presidente Luiz Gonçalves, marchará firme na luta pela valorização dos trabalhadores, que emprestam sua força e tempo de labuta para o desenvolvimento nacional, e por isso são quase nada respeito em seus direitos.

Das resoluções tomadas em conjunto, então, surgiu a formação de um Pacto da Ação Sindical, cujo documento protocolado com as reivindicações será encaminhado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, além de governadores.

O pacto foi composto pelas seguintes propostas, que são Contrapartidas sociais com a garantia de empregos em todos os setores econômicos, Fim das horas extras, Eliminação do banco de horas, Redução de 2% na taxa básica de juros, Redução substancial do spread bancário, Ampliação dos investimentos do PAC em qualificação profissional e Autorização ao trabalho para uso de até 20% de sua conta no FGTS no Fundo de Infraestrutura.