Resistência Estudantil faz Alckimin Suspender Fechamento de Escolas

Na última sexta-feira, dia 04 o Governador, Geraldo Alckmin, anunciou a suspensão da reorganização escolar, projeto do Governo Estadual que fecharia cerca de 100 escolas no Estado de São Paulo, causando grande transtorno para os estudantes que teriam que ser redistribuídos em outras escolas, causando superlotação nas salas de aulas e consequentemente maior sucateamento da rede de ensino público que atualmente já se encontra em situação precária.

A decisão causou revolta perante os estudantes que não se conformaram com a arbitrariedade da medida, o Governador deixou de discutir diretamente com o público que seria mais afetado e essa é uma das principais críticas a todo o projeto, frente a isso o alunado se organizou para ocupar as escolas em que estudam e resistiram até a suspensão da Reorganização.

arton4090 (1)Imagem: Sérgio Castro – O Estadão

O adiamento do fechamento das escolas foi coincidentemente anunciado no mesmo dia em que o Datafolha apontou que a popularidade do tucano atingiu o nível mais baixo desde que ele assumiu o Palácio dos Bandeirantes pela primeira vez, em 2001. Um terço dos paulistas considera a gestão Alckmin ruim ou péssima.

Não foi fácil, até a real suspensão da medida houve muito conflito, a polícia militar recebeu ordens para impedir de qualquer maneira que as ocupações continuassem, usando de força bruta para conter os estudantes, tal conduta nos gerou uma série de imagens lamentáveis que refletem o despreparo da instituição para lidar com aqueles que deviam proteger, a desculpa usada por Geraldo Alckmin para justificar a presença da polícia nas ocupações é que eles seriam enviados para dialogar com os alunos, porém pudemos ver claramente que eles não estavam dispostos a conversar e que foram enviados para declarar guerra contra o movimento estudantil. A presidente da Ubes (União Brasileira de Estudantes Secundaristas), Camila Lanes, foi a primeira dirigente estudantil presa após o final da ditadura militar. Camila foi detida pela PM na terça-feira (01/12) em manifestação contra o fechamento das escolas estaduais.

enfrentaFoto: Felipe Malavasi/Democratize

No entanto o artigo 1o, parágrafo único, da Constituição Federal versa que: “Todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente’’. Diretamente – o movimento estudantil nos lembrou que é o Estado quem deve temer o povo e não contrário.

menina enfrenta policial

No sábado, dia 06 de dezembro, diversos artistas se reuniram na E.E. Caetano de Campos na Consolação em São Paulo e promoveram shows gratuitos para os estudantes que contaram com a presença da cantora Céu, Maria Gadu, Criolo e etc., durante os shows era tangível a satisfação e o desejo de continuar lutando que emanava da multidão.

A Nova Central Sindical de Trabalhadores no Estado de São Paulo declara seu total apoio aos estudantes que ocuparam as escolas, enfrentaram a polícia e não se intimidaram perante a brutalidade do estado, permaneceram resistentes em sua luta até alcançar a vitória.

A Juventude é a revolução!

girl powerFoto: Marlene Bergamo