O País jamais será sério com Procuradores que opinam seletivamente

Valdevan 90 3O presidente reeleito do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transportes Urbano de São Paulo (SINDMOTORISTAS – SP), José Valdeven de Jesus (Valdevan Noventa), em outras ocasiões já teve sua vida revirada por investigações descabidas, provocadas por uma avalanche de denúncias infundadas vindas de adversários odientos e sem moral alguma para apontar-lhe o dedo.

Acredito que neste momento o que ocorre no episódio de possíveis irregularidades na prestação de contas de sua campanha para deputado federal, investigada pelo TRE – Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe e pela PF – Polícia Federal, aos poucos ganha contorno preocupante devido possível pressões externas e interesses escusos dos que foram derrotados nas urnas.

Até o Procurador do Ministério Público de Contas de Santa Catarina, Diogo Rigenberg, comentou em seu twitter e questionou despacho do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Roberto Barroso, que deferiu parcialmente na noite de domingo (16/12), o habeas corpus e autorizou a diplomação de Valdevan. Na visão do procurador, seria absurdo alguém que foi legitimamente eleito com mais de 45 mil votos ter seu direito garantido.

Nos últimos dias a família do presidente eleito Jair Bolsonaro tem protagonizado dezenas de manchetes nos meios de comunicação e, este procurador catarinense até o momento se quer teceu algum comentário. Em seu twitter há manifestações contra o a reeleição de Rodrigo Maia para presidente da Câmara dos Deputados e a eleição do senador Renan Calheiros para presidente do Senado.

“Da série ‘este não é um país sério’. Acredito que jamais será, enquanto perdurar a seletividade de agentes públicos que só enxergam defeitos dos que não fazem parte dos seus ciclos de amizades. Lembro a este procurador que todas as denúncias, até hoje imputadas ao Valdevan Noventa não foram comprovadas. Ele não tem e nunca teve nenhuma ligação com o crime organizado. Foi sim, vítima da maior calúnia, injuria e difamação que uma pessoa pode sofrer. Foi perseguido, humilhado.

Homem de coragem, palavra, coração generoso e mente religiosa, sempre suportou calado por anos a fio as acusações feitas por seus opositores. Eles tentaram manchar sua história forjada no sofrimento de um nordestino que trabalho duro na roça desde seus 14 anos e ligar sua imagem a crimes que ele jamais praticou. Todas essas mentiras e acusações infundadas foram plantadas por acusadores que não conseguiram sustentá-las e nem prova-las.

Quando ele era vereador em Taboão da Serra tentaram intimidá-lo para aprovar as contas de um determinado político. Ele se recusou. Tentaram comprar seu voto. Ele também recusou. Foi ai que passou a sofrer as acusações mentirosas que ainda tentam imputar a ele. Noventa é um político que marcou a história de Taboão da Serra, em São Paulo, onde foi vereador em dois mandatos.

Como já era esperado, através de sua assessoria na manhã desta terça-feira (18/12), emitiu uma nota onde diz que “o deputado federal eleito por Sergipe, Valdevan Noventa (PSC), aguarda a apreciação da prestação de contas de sua campanha, a qual contou com intervenção do Ministério Público Eleitoral (MPE)”. Afirma que os apontamentos apresentados pelo MPE serão oportunamente esclarecidos.

“Trata-se de uma área técnica, a qual ficou sob a responsabilidade de profissionais. Não cabe aos candidatos analisarem as movimentações bancárias, tampouco a aptidão e os perfis dos doadores. A campanha eleitoral é curta. Nós, candidatos, nos preocupamos em cumprir as agendas de visitas, a gravar os programas eleitorais, realizar discursos, elaborar propostas de trabalho e fazer política. Questões técnicas e burocráticas são alçadas de profissionais, eles foram contratados para isso”, disse Valdevan.

O parlamentar afirma que está confiante e seguro. “Aguardo e acredito na justiça. Fui eleito deputado federal em um regime democrático pela vontade do povo. O meu compromisso de trabalhar pelos mais humildes do meu estado será honrado”, concluiu o futuro parlamentar.

Nailton Francisco de Souza

Diretor Nacional de Comunicação da Nova Central