Mesmo antes de ser eleito Bolsonaro já inicia o “Toma Lá Dá Cá”

Para enganar os eleitores o candidato do PSL promete governo decente, diferente de tudo aquilo que nos jogou em25151845_1970316339893093_2291179394048288491_n uma crise ética, moral e fiscal. Um governo sem toma lá-dá-cá, sem acordos espúrios. Basta vê que o apoia no segundo turno para entender que suas promessas não passam de falácias e com objetivos espúrios para enganar os eleitores brasileiros.

Segundo ele seu governo será formado por pessoas que tenham compromisso com o Brasil e com os brasileiros. Que atenda aos anseios dos cidadãos e trabalhe pelo que realmente faz a diferença na vida de todos. Um governo que defenda e resgate o bem mais precioso de qualquer cidadão: a Liberdade. Um governo que devolva o país aos seus verdadeiros donos: os brasileiros.

Dentre esses donos estão empresários amigos do escravista Paulo Guedes, o economista escolhido por Bolsonaro para continuar com os cortes e as reformas iniciadas pelo governo golpista de Michel Temer. A lista de empresários é composta por Alexandre Bettamio, presidente executivo para a América Latina do Bank Of America, João Cox presidente do conselho de administração da TIM, e Sergio Eraldo de Salles Pinto, da Bozanno Investimentos (gestora de investimentos presidida por Guedes).

Toda uma nova cúpula se forma, reconfirmando um sistema de acordos entre os de cima para garantirem seus privilégios às custas dos direitos dos trabalhadores. Lembremos o que Bolsonaro declarou em Debate na Rede Band em 09/08/2018: “Os empresários tem dito pra mim, que o trabalhador vai ter que decidir um dia menos direitos e emprego ou todos os direitos e desemprego”.

Provas suficientes de para quem Bolsonaro pretende governar: para os grandes capitalistas e o capital financeiro estrangeiro, arrancando até a última gota de suor dos trabalhadores e todos os direitos trabalhistas. O programa está não só de ouvidos abertos para os empresários mas de portas abertas para que eles estejam dentro do governo tomando as decisões, que sempre vão defender seus privilégios contra os direitos básicos da maioria da população.

Seus aliados e ele próprio jogou o País na maior crise institucional ao promover e apoiado o golpe em 2016. Na ocasião diziam que a “Ponte Para o Futuro” de Michel Temer (PMDB/PSDB e DEM) salvaria o Brasil da crise econômica. O resultado todos já sabem qual foi, inclusive, o próprio Bolsonaro e seu partido foram os mais fiéis escudeiros das propostas que resultaram eliminação de direitos sociais e trabalhistas.

A esperança precisa vencer o ódio. No dia 28 de outubro não vote em quem sempre votou contra seus direitos e apresenta um programa de governo pró-capitalista em detrimento do direito do povo se aposentar dignamente. O voto não tem preço, mas tem consequências. A escolha é sua!

 

Por: Luiz Gonçalves (Luizinho), presidente da Nova central – SP